Lembra como começou no aquarismo? Eu lembro e lembro muito bem. Na verdade lembro até dos menores e aterradores detalhes e embora tenha a maior vergonha de falar sobre esta fase de trevas, nunca fiz questão de esquecê-la.

O primeiro aquário e o aquário atual de Vinicius Leandro GoriaSer iniciante não é fácil. A gente pensa que a coisa se resume a uma caixa de vidro, umas pedrinhas coloridas (as minhas eram azuis), alguns equipamentos (precisa mesmo?), qualquer água, quaisquer peixes, qualquer comida, e tudo ficará bem. Um plus (anticloro e teste de pH) e a gente sai da loja contente da vida com um aquário de trinta litros (grande!), um filtro biológico de fundo (ainda há quem venda este filtro para iniciantes), dois kinguios, um cascudo, talvez mais um bandeira (todos bebês), chega em casa, monta tudo, joga os peixes e voilá! Sou aquarista.

Sem entrar no assunto vendedores (fica para uma próxima), muitas vezes é assim que a brincadeira e os problemas começam. O melhor comentário que li sobre esta situação até hoje vem de anos atrás e de uma pessoa que também estava começando no hobby. Era mais ou menos assim: só fui procurar informação quando surgiu o primeiro problema e apenas aí soube que tudo o que fazia estava errado. Para mim serviu como uma luva, uma roupa sobre medida.

Iniciantes não sabem, não conhecem e não entendem. Se soubessem, não seriam iniciantes. Ah, mas que absurdo, deveriam saber, porque a internet, os fóruns, os grupos, as informações disponíveis... Respire e aceite: não, eles não sabem, exatamente como a maioria de nós não sabia quando começamos. Não conhecem conceitos básicos, não entendem os termos que usamos, não compreendem como A se relaciona com B que influencia C que... simplesmente porque estas são coisas que só aprendemos à medida que outros aquaristas nos ensinam, que partimos para a pesquisa e que convivemos com o aquário.

E o volume de informações é tão grande que fica fácil acabar completamente perdido quando entramos neste mundo. Não é raro encontrar frases assim: desculpe a ignorância, desculpe a pergunta boba, mas o que é pH/tpa/sifonagem/setup? Nunca achei que alguém precisasse pedir desculpas por desconhecer algo. Ignorância se debela com conhecimento e nenhuma pergunta é boba quando não sabemos a resposta. Sei que é cansativo explicar sempre as mesmas coisas, mas iniciantes merecem ser bem orientados. Alguns temas, pela sua importância, jamais ficarão bem explicados em um ou dois parágrafos e em casos assim, indicar leituras complementares é sempre bem-vindo. Leia este artigo/texto/tópico, vai esclarecer muitas de suas dúvidas e, se não entender algo, pergunta novamente. Aqueles que realmente têm interesse lêem,  agradecem a indicação e voltam a perguntar, se necesssário. Aqueles que não têm, bom, estes nem saem do lugar. Tá, mas e aí, você não disse o que é que eu faço. O joio e o trigo se separam por conta própria.

Os 2 anos de evolução do aquarista Andy Andrade dentro do hobby, hoje uma referência para muitos.

Iniciantes também costumam chegar aos fóruns e grupos com duas coisas na bagagem: a primeira é problemas; a segunda, um aquário mal montado. Continue respirando.

Meu pai dizia que é preciso saber como falar com as pessoas. Quando eu era iniciante e passeava pelos fóruns como visitante, me deparei com um tópico assim: a pessoa era nova no aquarismo, nova no fórum, e estava apresentando seu aquário. Pensa em uma pessoa contente mostrando e falando de seu aquário e peixes. Não demorou o tempo de um suspiro para aparecer um “veterano” que simplesmente destroçou tanto o aquário quanto o aquarista. Citou falha por falha, erro por erro, e de uma maneira tão agressiva que a impressão que dava era que o recém chegado havia intencionalmente montado aquele aquário para ser uma câmara de tortura.  

Nunca me registrei neste fórum. Fiquei pensando que se destroçam um, destroçam todos, e isto era tudo o que não queria nem precisava. Estava buscando ajuda, mas não encontrei isto ali. Uma coisa é dizer algo como “seu aquário tem erros de montagem, algumas falhas e coisas que podem ser melhoradas, então vamos ver isto”. Outra coisa é arrasar com o aquário e o aquarista junto, sem contribuir com nada para o crescimento dele no hobby.

Da mesma forma que é importante o “saber falar”, apontar o que está errado, porque está errado e como corrigir, também é importante dizer “não sei”. O que sinto é que, para certas pessoas, dizer “eu não sei” é como passar um atestado de burrice, ficar diminuído perante os outros aquaristas, é inclusive perder curtidas, pedidos de amizade, elogios. A necessidade de reconhecimento pode ser atroz.

Eu encaro isto como um ato de respeito para com o iniciante e para comigo mesma. Prefiro dizer não sei a passar uma orientação errada só para constar. Lembrem: iniciantes não têm conhecimento nem experiência suficientes para julgar se aquilo que falo realmente procede. Vão aceitar o que digo como verdade, já que eu tenho mais tempo e experiência no hobby. Não há o porquê penalizar um iniciante com uma orientação errada apenas por medo de admitir o próprio desconhecimento. Saber muito nunca foi sinônimo de saber tudo. Então não tenha medo de dizer “não sei como te ajudar porque nunca mantive este peixe, nunca passei por uma situação assim, nunca usei este equipamento, nunca tratei com este medicamento”. Tudo se resume ao velho e batido quem não ajuda, que também não atrapalhe.

Enfim, fato é que não temos bola de cristal e não sabemos o que será deste iniciante, portanto, só o que nos resta é fazer bem a nossa parte. Talvez esta paixão avassaladora pelo aquarismo congele e ao final de seis meses ele desmonte e venda o aquário. Talvez ele seja um bom aquarista durante anos, auxiliando outros que ainda irão começar. E finalmente, talvez o iniciante de hoje se transforme em uma referência na vertente de aquarismo em que decidir atuar. Cada um constrói seu próprio caminho, não é? Mas quando o começo é bom, a jornada fica mais fácil. 

Sobre o autor:
Solange Nalenvajko
Autor: Solange Nalenvajko
Solange Nalenvajko, mais conhecida como Xica, é natural de Curitiba-PR e aquarista desde 2010, época em que começou a estudar e planejar o que chamou de "seu primeiro aquário de verdade", daí para diante foi puro amor pelo hobby. Sua paixão e alvo de maior dedicação sempre foram os Kinguios ou "Gordos" como gosta de chamar, em geral mantidos em aquários com plantas naturais e de baixa manutenção. Uma das pessoas mais carismáticas do AqOL, é formada em Administração de Empresas pela FAE, atualmente ocupa a posição de Rainha do Lar convivendo com a nobreza.