Crossocheilus oblongus Nome científico: Crossocheilus oblongus
Nome popular (BR): Comedor de Algas Siamês
Nome popular (ING): Siamese algae-eater

 

Família: Cyprinidae
Distribuição geográfica: Sudeste asiático
Comportamento: Territorial.
Tamanho adulto: 16 cm
pH: 6,5 a 8,0
Temperatura: 24 a 28oC
Dimorfismo sexual: As fêmeas costumam ser maiores e mais arredondadas.
Alimentação: Ração, algas, legumes etc.
Aquário mínimo recomendado: 200 litros
Reprodução: Ovípara
Adequado para plantado? Sim.
Biótopo:  
Informações adicionais:  

Saiba mais sobre a espécie:

Com a fama de ser o único peixe que se alimenta de algas filamentosas, o Comedor de Algas Siamês quase se tornou uma lenda, já que por não chamar a atenção de aquaristas que desconhecem esse seu "dom" e talvez devido a ausência de cores vibrantes em seu corpo, é reconhecido por poucos aquaristas, que algum tempo atrás quase nunca o encontravam nas lojas brasileiras.

Graças a popularização dos aquários plantados, que ocorreu na década passada, este peixe passou a ser facílmente encontrado em várias lojas e por preços mais acessíveis. Um grupo de CAS, como também é conhecido, é peça quase obrigatória em muitos aquários plantados devido à sua utilidade.
Por se tratar de um peixe um pouco territorial, deve-se evitar colocar dois exemplares, sempre um ou mais de três caso o aquário permita, já que ele pode alcançar até 15cm. Isso evitará que o peixe dominante persiga somente um peixe e acabe mantando-o por estresse.

Esse peixe possui a boca semelhante a dos labeos e quando jovem passa o dia todo a procura de algas pelas folhas das plantas, troncos, pedras etc.

Infelizmente, quando adulto, o CAS (em sites estrangeiros também é comum encontrar o termo SAE ou Siamese Flying Fox ao se referir à ele) pode se acostumar à rações de uma tal forma que deixe de se interessar pelas algas, principalmente se elas suprirem sua necessidade por alimento vegetal.

O aquário para o CAS deve ter pH entre 6,5 e 8,0; temperatura em torno de 26ºC e bastante plantas para o peixe se sentir mais à vontade. Caso haja Labeos no aquário, perseguições não são descartadas e inúmeras tocas serão muito bem vindas. Além disso, em alguns aquários o Comedor de Algas Siamês pode percorrer o corpo de outros peixes à procura de alimento, os peixes parecem incomodados com esse seu comportamento, porém raramente isso causa algum ferimento mais grave.

Quando jovem é praticamente impossível identificar o sexo do peixe, porém quando adulto, as fêmeas tendem a ser maiores e mais redondas que os machos. A reprodução em aquarios não é muito comum, mas acredita-se que seja semelhante à dos labeos. A alimentação deve consistir em algas, ração (se o aquário não tiver algas, é importante fornecero ao menos uma ração vegetal) e pequenos invertebrados como artêmia salina, tubifex etc.

Quando for comprar seu CAS, preste bem atenção à algumas características que o diferem dos inúmeros peixes que também são conhecidos como Comedores de Algas, afinal se o alvo são as algas filamentosas, dizem que ele é o único que poderá ajudar. O CAS (Crossocheilus oblongus, recentemente reclassificado, antes recebia o nome de Crossocheilus siamensis) (1) difere dos demais por ser quase branco e possuir uma única linha preta que vai desde sua boca até o final da cauda. A maior confusão costuma ocorrer com alguns peixes do gênero Garra, principalmente o Garra cambodgiensis (2), porém nesse peixe há uma segunda linha mais clara sobre a principal, preta. Há ainda o Comedor de Algas Chinês (Gyrinocheilos aymonieri) (3), o mais comum nas lojas e encontrado nas variedades comum e gold. Apesar de ser bem diferente e ter a boca em forma de ventosa, é o mais mais vendido como Comedor de Algas Siamês, muitas vezes por falta de conhecimento do próprio lojista, porém o aquarista precisa ficar atento pois esse é o mais agressivo dos Comedores de Algas, podendo atacar outros peixes quando adulto. Por fim há ainda o Flying Fox ou Raposa Voadora (Epalzeorhynchos kalopterus), que apesar de possuir uma linha negra semelhante a do CAS, ela é acompanhada de outra amarela e costuma possuir uma coloração mais atraente.

Escrito por: Marne Campos