Characidium fasciatum Nome científico: Characidium fasciatum
Nome popular (BR): Mocinha
Nome popular (ING): Darter characin

 

Família: Crenuchidae
Distribuição geográfica: América do Sul
Comportamento: Pacífico, deve ser mantido em grupos de, no mínimo, três indivíduos. Pode atacar peixes de nadadeiras longas.
Tamanho adulto: 7 cm
pH: 6,0 a 7,5
Temperatura: 19 a 26oC
Dimorfismo sexual: Não há.
Alimentação: Ração, artêmia salina, branchonetas, tubifex, caramujos, etc.
Aquário mínimo recomendado: 80 litros
Reprodução: Ovípara
Adequado para plantado? Sim.
Biótopo:  
Informações adicionais:  

Saiba mais sobre a espécie:

Quando parada, a Mocinha quase não chama a atenção mas é quando se desloca que todo aquarista se encanta com sua maneira de fazer isso. O motivo é que a Mocinha parece rastejar pelo fundo, apoiada sobre suas nadadeiras peitorais, que mais parecem dois braços apoiados no chão.

Mocinha é um peixe pacífico, mas que não deve ser colocado com peixes lentos e de nadadeiras longas, isso porque costuma beliscar as longas nadadeiras do companheiro, sempre que esse se aproximar. Kinguios e Acarás Bandeira Véu estão entre os que mais sofrem com essa "mania" da Mocinha. Os melhores peixes para dividirem o aquário são Dânios e Tetras pois não competirão pelo menos território.

Um aquário com plantas, rochas e troncos será muito bem visto pela Mocinha. Como não é um peixe que nada muito, vai utilizar esses elementos para subir próximo à superfície, seja para se alimentar, seja para observar o ambiente. As plantas de folhas largas como a Higrophylla corymbosa serão um bom local para isso.

Na dieta deste peixe pode entrar qualquer tipo de alimento: rações em flocos, em grânulos, alimento vivo como artêmia salina, tubifex, etc. Só é preciso prestar atenção se a Mocinha está se alimentando adequadamente pois possui uma boca pequena e isso pode dificultar a captura de alguns tipos de alimento. É importante certificar-se  que o alimento esteja chegando até o fundo, pois a Mocinha não costuma se alimentar na superfície, no máximo subir em alguma coisa para pegar o alimento mais no alto.

Não há muita informação sobre sua reprodução em cativeiro, talvez por ser um peixe que não possui muito valor comercial e é encontrado com facilidade na natureza.

Escrito por Marne Campos.

Talvez você também se interesse por: