Dicrossus maculatus Nome científico: Dicrossus maculatus
Nome popular (BR): Xadrezinho
Nome popular (ING):  

 

Família: Cichlidae
Distribuição geográfica: América do Sul
Comportamento: Territorial, pode se tornar agressivo com outros indivíduos territoriais de mesmo porte.
Tamanho adulto: 5 cm
pH: 5,5 a 6,5
Temperatura: 22 a 28oC
Dimorfismo sexual: O macho é mais colorido e possui as nadadeiras caudal e dorsal mais desenvolvidas.
Alimentação: Ração, artêmia salina, branchonetas, tubifex etc.
Aquário mínimo recomendado: 60 litros
Reprodução: Ovípara.
Adequado para plantado? Sim.
Biótopo:  
Informações adicionais: Evite manter somente dois indivíduos, a não ser que seja um casal.

Saiba mais sobre a espécie:

O Dicrossus maculatus é encontrado na bacia amazônica desde Belém até a fronteira com a Colômbia (rio Javari). É um ciclídeo anão magnífico, que quando adulto e em reprodução, apresenta um colorido intenso, com tons de azul e vermelho se entremeando. As fêmeas podem ser distinguidas dos machos tanto pelo porte quanto por uma característica marcante: após terem desovado pela primeira vez, elas apresentam para sempre as nadadeiras pélvicas em tom alaranjado. Fêmeas virgens tem elas incolor.

A reprodução é dificílima já que devemos respeitar alguns parâmetros da água, o que não é fácil de se conseguir. O ideal é que o pH seja abaixo de 6, dureza quase 0 e temperatura em torno de 30 graus, sendo possível apenas com trocas parciais com água deionizada. Os machos são polígamos e se tiverem espaço suficiente para mais de uma fêmea reproduzir ao mesmo tempo, com certeza o farão.

O aquário para mantermos essa espécie deve conter areia fina como substrato, troncos, folhas secas, pedras, e plantas com folhas horizontais e rígidas para desova.

Dimorfismo sexual e diferenciação do Dicrossus maculatus e o Dicrossus filamentosus.

Quanto as fêmeas.

No D. filamentosus, quando virgens, as nadadeiras peitorais são claras. Quando atingem a maturidade sexual se tornam um vermelho fraco e quando já reproduziram ficam pra sempre num tom vermelho cereja, podendo claramente ver se uma fêmea já desovou ou não.

No D. maculatus segue-se mais ou menos o mesmo esquema, porém quando jovens as nadadeiras são incolores e depois de reproduzir se tornam laranjas. Essa característica é marcante na diferenciação das fêmeas das duas espécies.

Quanto a nadadeira caudal.

D. filamentosus: os machos apresentam a cauda em lira quando adulto, podendo também se ver a diferenciação entre duas populações distintas: a colombiana e a brasileira. Na colombiana, tem-se que a área com pontos na caudal é maior, quase que pegando todo o espaço da caudal. Já na população brasileira vemos uma pequena diferença, onde a região com pontos no centro da caudal é menor, quase que central apenas. Esta é uma maneira de diferenciar de onde o peixe vem.

D. maculatus: a cauda nos machos é em forma de espada, tanto que fora do Brasil, eles o chamam de "Spadetail checkerboard cichlid". Nas fêmeas a caudal é sempre arredondada, como no caso das fêmeas do D. filamentosus.

Quanto as outras nadadeiras sobre o D. maculatus: peitoral em machos adultos apresentam finos e longos prolongamentos, dorsal é colorida e mais larga que nas fêmeas, porém não apresenta prolongamento em nenhum raio.

Como é possível ver são peixes de fácil sexagem quando adultos, devido as inúmeras características citadas.

Sobre o pH.

Criadores alemães citam que para reprodução do D. filamentosus é necessário não apenas atingir pH menor que 6, mas partir para algo em torno de 5 a 5,5, sempre atentando para dureza, que deve ser mínima, e a temperatura em torno de 29 a 30°C. Citam que a condutividade elétrica não deve ser maior que 60 microsiemens/cm. Só para ajudar, lembre-se que a água que sai de um deionizador "Milli-Q" sai em torno de 18 microsiemens/cm. Portanto, água deionizada é o segredo.

Agora é claro que os peixes tem que se aclimatar à mudanças de pH devido aos fatores indicados. Porém não é por que o peixe aguenta viver em pH 7 que deve ser mantido nesse pH, nem indicar para as pessoas comprarem para colocar em aquário comunitário. É um peixe de difícil reprodução e mantê-los demonstrando seu maior potencial decorre apenas se seguirmos rigidamente os parâmetros necessários.

Quanto às possíveis diferenças na coloração: é de se esperar que no D. maculatus também tenhamos diferentes padrões de cores, como no D. filamentosus, porém o que é marcante nessa espécie é que quando aptos à reprodução, seu o tom azul no corpo aumenta e os reflexos vermelhos nas nadadeiras ficam muito mais intensos.

Escrito por Heidge Fukumasu.