Heros severus Nome científico: Heros severus
Nome popular (BR): Acará Severo
Nome popular (ING): Banded cichlid

 

Família: Cichlidae
Distribuição geográfica: América do Sul
Comportamento: Peixe territorial, pode ser agressivos com outros peixes de mesmo tamanho.
Tamanho adulto: 20 cm
pH: 5,5 a 6,5
Temperatura: 25 a 29oC
Dimorfismo sexual: Após atingir a mturidade sexual, o macho se torna mais colorido e com as nadadeiras anal e dorsal mais desenvolvidas.
Alimentação: Ração, patê, artêmia salina, branchonetas, tubifex, minhocas, pequenos peixes etc.
Aquário mínimo recomendado: 200 litros
Reprodução: Ovípara.
Adequado para plantado? Não.
Biótopo:  
Informações adicionais:  

Saiba mais sobre a espécie:

O Acará Severo ou Acará Peba é mais uma opção para quem gosta de peixes  que  adquirem  uma  relação mais intensa com seus donos, característica essa que alguns ciclídeos costumam desenvolver com o aquarista que os alimenta.

Este ciclídeo não é indicado para aquários comunitários com peixes pequenos. Para ser mantido com outros peixes, estes devem ter o seu tamanho ou mais e o aquário deve ter mais de 200 litros para evitar que o Severo ataque os outros habitantes do tanque principalmente na época da reprodução, quando o peixe se torna bastante agressivo.

O Severo é pouco exigente quanto à qualidade da água, o que não dispensa os cuidados com a sifonagem do fundo, manutenção dos filtros e as trocas parciais.  Prefere um pH levemente ácido (próximo a 6,5) e temperatura em torno de 26° C. Plantas são muito bem-vindas, mas devem ser escolhidas as espécies mais resistentes como as do gêneros Echinodorus e Anubias.

Um sinal de alerta quando o peixe não está contente com o aquário ou então está assustado é a sua coloração, o peixe fica pálido e com as listras verticais bem acentuadas.

A reprodução não é muito difícil, a parte mais complicada é a formação do casal. O macho costuma ter a cabeça mais azulada, sua nadadeira dorsal é mais longa e termina bem afilada, além de ser maior que a fêmea que possui o final da nadadeira dorsal mais arredondado.

O casal escolhe o local da postura dos ovos, normalmente uma superfície lisa, a fêmea deposita os ovos e o macho os fertiliza logo em seguida. Alguns casais cuidam dos ovos e depois dos filhotes, outros acabam devorando-os. Caso esse comportamento se repita mais de uma vez retire a fêmea após a desova, sendo que às vezes é necessário até retirar os dois de perto da prole.

Caso tudo ocorra bem, os ovos devem eclodir em 48 horas e os pais chegam a ficar dias sem se alimentar, só cuidando dos filhotes. Depois de uma ou duas semanas, deixe os filhotes sozinhos e alimente-os com infusórios e naúplios de artêmia, até começarem a aceitar ração.

Se o aquário estiver de acordo com as exigências do peixe, o casal pode chegar a desovar até uma vez por mês. Os adultos aceitam todo tipo de alimento, rações, minhocas, artêmias, dáfnias etc.

Escrito por Marne Campos.

Talvez você também se interesse por: