Tanichthys albonubes Nome científico: Tanichthys albonubes
Nome popular (BR): Tanictis
Nome popular (ING): White cloud mountain minnow

 

Família: Cyprinidae
Distribuição geográfica: Sudeste asiático
Comportamento: Pacífico, deve ser mantido em grupos de, no mínimo, cinco exemplares.
Tamanho adulto: 4 cm
pH: 6,5 a 7,5
Temperatura: 5 a 23oC
Dimorfismo sexual: Não há.
Alimentação: Ração, artêmia salina, branchonetas, tubifex etc.
Aquário mínimo recomendado: 40 litros
Reprodução: Ovípara.
Adequado para plantado? Sim.
Biótopo:  
Informações adicionais:  

Saiba mais sobre a espécie:

O Tanictis é uma ótima opção para quem está começando mas não abre mão de manter um peixe gracioso e que chame a atenção para si. Isso deve-se ao fato de ser um peixe pouco exigente quanto aos parâmetros da água, o que lhe deu a fama de "resistente", e a sua agitação, já que não para um minuto.

Originário da China, tem em seu nome uma homenagem ao garoto que o encontrou na beira de um rio pela primeira vez, Tan-ictis, e foi correndo mostrá-lo ao seu amigo cientista.

O peixe costuma perder parte de seu colorido conforme vai envelhecendo sendo mais atraente quando jovem, mas nem por isso os adultos deixam de ser interessantes. Possuem uma faixa longitudinal prateada com um leve tom azulado e as nadadeiras dorsal e caudal num forte tom de vermelho. Um aquário para os Tanictis deve possuir muitas plantas para que o peixe se sinta mais à vontade e um grupo de, no mínimo, cinco peixes, já que na natureza  vivem em cardumes. A temperatura não deve ser muito alta, o ideal é em torno de 23° C, quanto ao pH, mantenha-o levemente ácido.

 A reprodução não é difícil, o aquarista só precisa contar com um pouco de sorte e dedicação de sua parte. O dimorfismo sexual não é dos mais fáceis de observar mas existe. O macho é mais colorido e possui as nadadeiras anal e caudal mais longas que a fêmea, esta é mais "gordinha". Coloque alguns peixes num aquário separado, garantindo que há um número próximo de machos e fêmeas; não é necessário substrato, mas plantas como cabombas e elódeas serão bem vindas pois é nelas que os ovos ficarão aderidos. Com um pouco de sorte, após algumas horas algum macho estará cortejando uma fêmea, nadando a seu lado e "esfregando" seu corpo ao dela. Logo a desova ocorrerá e após terminada deve-se retirar os adultos do aquário. Em uma desova são liberados em média 70 ovos, sendo que estes devem eclodir em torno de 48 horas.

A alimentação dos filhotes deve ser iniciada a partir do segundo dia de vida, pois já terão consumido praticamente todo o seu saco vitelino. Aceitam infusórios, microvermes e artêmia recém eclodida, após um mês já poderão receber a mesma alimentação dos adultos. Aos adultos ofereça ração em flocos, artêmia salina, minhocas pequenas, dáfnias etc.

Escrito por Marne Campos.