Hemiodus gracilis Nome científico: Hemiodus gracilis
Nome popular (BR): Cruzeiro do Sul
Nome popular (ING):  

 

Família: Hemiodontidae
Distribuição geográfica: América do Sul
Comportamento: Pacífico, deve ser mantido em grupos de, no mínimo, cinco exemplares.
Tamanho adulto: 17 cm
pH: 5,8 a 7,0
Temperatura: 23 a 27oC
Dimorfismo sexual: Não há.
Alimentação: Ração, artêmia salina, branchonetas, tubifex etc.
Aquário mínimo recomendado: 300 litros
Reprodução: Ovípara
Adequado para plantado? Sim.
Biótopo:  
Informações adicionais:  

Saiba mais sobre a espécie:

O Hemiodus gracilis ou Cruzeiro do Sul como é conhecido popularmente pelos aquaristas, é uma boa opção para aquários comunitários onde predominam espécies pacíficas e não muito grandes, pois apesar de, quando bem tratados, chegarem a 17 cm de comprimento, raramente devoram peixes menores como neons, por exemplo. Apreciam viver em cardumes de no mínimo cinco exemplares, o que é quase uma regra, pois quando colocado aos pares as perseguições se tornam frequentes, podendo até causar a morte do peixe que é sempre o perseguido.

Ao adquirir Cruzeiros do Sul para seu aquário, adquirida pelo menos três exemplares, sendo o ideal cinco ou mais, já que na natureza vivem em cardumes de vários indivíduos.

Esse peixe é extremamente tímido, chegando a se assustar com o simples acender e apagar das luzes, o que torna quase proibitivo a instalação do aquário em lugares muito movimentados. Quando se sente ameaçado, o peixe perde a cor, que consiste num intenso prata com a cauda vermelha na parte inferior, algumas vezes chega até a se chocar contra os vidros, o que pode lhe causar ferimentos ou até a morte. Em alguns casos o peixe parece "desmaiar", chegando a virar de cabeça para baixo, mas logo volta ao normal.

Para evitar esse tipo de problema, é aconselhável que o aquário seja extremamente plantado, sendo indicado também o uso de troncos e pedras contanto que não sejam pontiagudas, dando assim mais segurança ao peixe. É um tanto exigente quanto a qualidade da água, preferindo temperaturas próximas de 26°C e pH torno de 6,4.

É muitas vezes confundido com o Hemiodus semitaeniatus, mas essa confusão é facilmente desfeita observando-se a ausência da faixa vermelha na cauda que não possui os lóbulos arredondados como no H. gracilis.

A reprodução é raramente conseguida pelo aquarista, pois o Cruzeiro é um peixe de piracema, ou seja, que desova na nascente dos rios, necessitando de correnteza para sua reprodução. Apesar disso, a reprodução em cativeiro já foi conseguida por alguns criadores. A alimentação é simples, ele aceita desde flocos até alimentos vivos, complementando sua dieta mordiscando algumas plantas, mas nada que seja significativo a ponto de não poder colocá-lo num aquário plantado.

Escrito por Marne Campos.

Talvez você também se interesse por: