discobulldogselvagemO Acará Disco (Symphysodon ssp.), desde que foi descoberto na região amazônica e teve sua primeira espécie catalogado pelo austríaco Johann Jakob Heckel em 1840, se tornou um dos peixes mais explorados comercialmente para fins ornamentais em todo o mundo. Estamos falando de um dos peixes ornamentais de água doce de maior valor no mercado mundial, considerado por muitos como o rei do aquário de água doce e objeto de desejo de milhares de aquaristas, muitos chegam a considerar a manutenção do Acará Disco, principalmente em sua forma selvagens, como o ápice da manutenção de peixes dulcícolas em aquários.

Toda essa fama rendeu ao Acará Disco décadas de capturas de animais selvagens e obtenção de novas variedades através de cruzamentos em cativeiros, hoje são infinitas as variedades que podem ser encontradas nas lojas, apresentando não só variação de cores mas de formato também, entre elas, umas das variedades mais polêmicas é a "Bulldog". Trata-se de um peixe que ao contrário do que o nome "Disco" supõe, possui um formato alongado verticalmente, ficando longe de um disco perfeito, justamente uma das características que mais valorizam a espécie em campeonatos mundo à fora. Essa variedade, além da modificação no formato do corpo, possui o rosto achatado, o que lhe rendeu o nome já que lembra o rosto de um cão da raça Bulldog.

Essa característica que até então achava-se que era exclusiva de cruzamentos em cativeiro realizados pelo homem, foi encontrada em peixes selvagens adultos recentemente e essa semana as primeiras fotos de exemplares assim, capturados na Amazônia, foram reveladas pela empresa Santarém Discus, primeiramente pelo proprietário da empresa e entusiasta do gênero, Vitor Hugo Quaresma e logo depois na própria págia da empresa no Facebook. Segundo Vitor, em anos de captura de peixes selvagens, foi a primeira vez que ele encontrou peixes com esse formato na natureza, o que até para um profissional que se dedica anos à espécie, causou surpresa!

Sobre o autor:
Marne Campos
Autor: Marne Campos
Marne Campos, natural de Campinas-SP, é aquarista desde 1990 quando, aos 7 anos de idade, ganhou o seu primeiro aquário e se apaixonou completamente pelo aquarismo. Bacharel em Análise de Sistemas pela PUC-CAMPINAS e técnico em Eletro-Eletrônica pela UNICAMP, criou o projeto Aquarismo Online em 1999, além outras iniciativas ligadas ao aquarismo que vieram logo em seguida, entre elas a idealização do CBAP (Concurso Brasileiro de Aquapaisagismo) onde ocupou o cargo máximo por 12 anos. Dedica-se à aquários plantados desde 1998, tendo como principal área de interesse atualmente, a manutenção de ambientes aquáticos por longos períodos.