Doença dos pontos brancos.
O Íctio é uma das doenças mais comuns, costuma aparecer principalmente em períodos de temperaturas mais baixas, peixes desnutridos e fracos são vítimas muito fáceis, por muitas vezes fatal, desta doença de tratamento relativamente simples.

Agente responsável: É causada pelo parasita Ichthyophthirius multifillis, protozoário ciliado visível a olho nu em seu estágio mais avançado, medindo pouco mais de 1mm.

Fotografia: Robert Kamstra
Fotografia: Robert Kamstra


Sintomas: É uma das doenças mais comuns em aquários, caracteriza-se por pequenos pontos brancos, o peixe fica todo salpicado de branco permanecendo com as nadadeiras fechadas e parado no fundo do aquário, cada ponto é um parasita que se alimenta do sangue do peixe, até levá-lo a morte, se os parasitas atacarem suas guelras o peixe morre por asfixia. Ocorre principalmente no inverno devido a quedas bruscas de temperatura. O parasita apresenta-se em 3 formas durante seu ciclo de vida: Estágio 1: quando ele é visível na pele do peixes (pontos brancos), é quando o parasita está se alimentando do sangue do peixe, e neste estágio dificilmente algum medicamento será eficaz no tratamento; Estágio 2: ao atingir um estágio mais desenvolvido, o parasita deixa o peixe e vai se reproduzir no fundo ou em qualquer outra superfície do aquário, nesta fase o parasita está protegido por uma membrana gelatinosa que impede a ação de medicamentos; Estagio 3: A terceira fase do ictio é a que os novos parasitas deixam a membrana onde procriaram e nadam em busca de um novo hospedeiro, é nesse momento que os parasitas estão mais vulneráveis e o melhor momento para a ação do medicamento, antes do parasita encontrar seu novo hospedeiro, evitando-se assim que ele reinicie seu ciclo.


Profilaxia: Ao comprar o peixe, observe se há manchas ou estruturas esbranquiçadas pelo corpo, se o peixe está respirando normalmente ou se esfregando nos ornamentos e substrato, esses são sintomas de possível infestação pelo ictio. Mesmo os peixes que não apresentam sinais visíveis do parasita podem estar infectados, dessa forma, a quarentena é indispensável.


Tratamento:
É um dos poucos casos onde o tratamento deve ser feito no aquário principal. Recomenda-se aumentar a temperatura para 30ºC, que é eficaz para acelerar o ciclo de vida do parasita e evitar sua reprodução, mantendo o tratamento por no mínimo 7 dias, muitas vezes apenas aumentar a temperatura já é suficiente para eliminar o ictio do aquário, mas o tratamento só funciona se for efetuado sem interrupções. Pode-se usar sulfato de cobre, 1ml para cada litro de água, porém, é necessário trocas parciais de 3/4 da água diariamente, tome cuidado pois o sulfato de cobre é fatal para alguns peixes. Um tratamento menos agressivo à biologia do aquário é o uso do sal grosso (3 gramas por litro), que quando dissolvido na água, elimina a forma livre do parasita através da diferença de pressão osmótica que causa. O tratamento com sal dura de 10 a 14 dias e não deve ser interrompido.

Obs: Indicamos que antes de iniciar qualquer tratamento procure um veterinário especializado em peixes ornamentais, pois ele é o profissional com competência técnica para realizar exames clínicos, reconhecer com certeza a doença e indicar o tratamento viável para o caso.