Também conhecida como doenças da barriga seca, por causar falta de apetite e conseqüente retração do ventre devido ao emagrecimento gradual.

Agente responsável: Mycobacterium tuberculosis piscium, Mycobacterium fortuitum, entre outras do gênero Mycobacterium.


Fotografia: Alexandre Altieri


Sintomas: A tuberculose ataca com mais facilidade os peixes que apresentam por algum motivo o sistema imunológico enfraquecido, o peixe se alimenta com dificuldades e passa a emagrecer gradualmente, ficando com o ventre retraído, pode apresentar lesões cutâneas e nódulos externos, perda de coloração, nado irregular e deformação da coluna vertebral e mandíbula.

Profilaxia: O peixe pode ter o sistema imunológico debilitado por vários motivos, alimentação deficiente por exemplo, ou por parâmetros incorretos da água do aquário. Uma forma de evitar a tuberculose pisciária é oferecendo alimentação de boa qualidade e variada, bem como a manutenção regular do aquário, com trocas parciais de água, sifonagem do substrato e limpeza dos filtros. Antes de inserir novos peixes ao aquário proceder a quarentena, e se constatar peixes doentes separá-los dos demais em aquário hospital, evitando a contaminação dos demais.

Tratamento: Geralmente quando a tuberculose é detectada já está em um estágio avançado, e por isso a cura é difícil, pois o peixe encontrar-se-á mais debilitado que no momento que contraiu a doença, mas o primeiro passo é adequar a alimentação e os parâmetros da água com o ideal para a espécie. Substâncias como a Estreptomicina ou Kanamicina em banho prolongado em solução a 50mg/L, ou Aureomicina em banho a 25mg/L podem ser eficazes.

Obs: Indicamos que antes de iniciar qualquer tratamento procure um veterinário especializado em peixes ornamentais, pois ele é o profissional com competência técnica para realizar exames clínicos, reconhecer com certeza a doença e indicar o tratamento viável para o caso.