Resistência e beleza são marcas características desse peixe que tem algo especial até no nome, Paraíso. Preparado para viver em ambientes nada amigáveis, o Macropodus opercularis não vai dar o menor trabalho ao aquarista que souber escolher seus companheiros de aquário.
 Originário do sudeste asiático, a variedade selvagem deste peixe é encontrada com facilidade entre os arrozais chineses, locais com muita vegetação e pouca água, dessa forma o peixe está acostumado com condições mínimas de sobrevivência. Um aquário para o Paraíso não vai precisar de sistema de aquecimento, principalmente em países tropicais, já que prefere temperaturas em torno de 23ºC. Fatores como pH e dureza não importam muito, ele pode viver tanto em águas alcalinas como ácidas. A única preocupação na hora de montar um aquário para o Paraíso, é quanto aos demais habitantes, estes devem ser maiores que ele para diminuir as chances de sofrerem com sua agressividade.
Outra dica é colocar no mínimo 4 exemplares da espécie, não que seja um peixe que vive em grupo, mas assim pode-se evitar perseguições constantes a um único individo.
 Além das qualidades já descritas, este peixe pode ser bastante útil no combate à algumas espécies de caramujos como os Planorbes, considerados por alguns aquaristas como verdadeiras pragas aquáticas. A reprodução é fácil e muito parecida com a do Beta, outro membro da família Anabantidae. O dimorfismo sexual é facil, o macho possui as nadadeiras mais longas e pontiagudas além de ser mais colorido que a fêmea, esta por sua vez, costuma ser mais "gordinha". Repare se há algum casal pronto para a reprodução, o macho deve estar mais colorido que o normal e a fêmea com o ventre inchado.
Prepare um aquário de uns 20 litros brutos, é bom não colocar muita água para não dificultar o trabalho do macho, não use substrato e coloque várias plantas aquáticas, de superfície e submersas, isso servirá de suporte ao ninho e abrigo para a fêmea, o aquário deverá ser mantido tampado a fim de manter a umidade e diminuir a oscilação de temperatura que deve se manter próxima dos 23ºC, um aerador suave será bastante útil também, principalmente quando os filhotes nascerem, pois ao contrário dos pais, ainda não terão o labirinto, órgão que os permite respirar o ar atmosférico. O macho construirá um ninho de bolhas na superfíce e atrairá a fêmea para perto dele, dando então um abraço para que ela solte os ovos e ele possa fertilizá-los, após a desova terminar, a fêmea deverá ser retirada do aquário pois pode ser morta pelo macho. Ele pegará os ovos do fundo do aquário e colocará um a um no ninho de bolhas, a eclosão ocorre após 48 horas e na primeira semana não será necessário alimentá-los pois consumirão o saco vitelino, na segunda semana ofereça infusórios e depois micro-vermes até começarem a aceitar ração. O pai poderá ser retirado logo na segunda semana. A alimentação dos adultos também não possui mistérios, aceitam de tudo, ração, alimentos vivos, patês caseiros, etc.

Fotografias: Yuri F. Messas

 

Nome científico: Macropodus opercularis
Origem: sudeste asiático
pH: 6,5 a 7,5
Temperatura: 23ºC
Dureza: 10 dH
Tamanho adulto: 10cm
Tamanho do aquário: 70L
Alimentação: onívoro
Reprodução: ovíparo
Sobre o autor:
Marne Campos
Autor: Marne Campos
Marne Campos, natural de Campinas-SP, é aquarista desde 1990 quando, aos 7 anos de idade, ganhou o seu primeiro aquário e se apaixonou completamente pelo aquarismo. Bacharel em Análise de Sistemas pela PUC-CAMPINAS e técnico em Eletro-Eletrônica pela UNICAMP, criou o projeto Aquarismo Online em 1999, além outras iniciativas ligadas ao aquarismo que vieram logo em seguida, entre elas a idealização do CBAP (Concurso Brasileiro de Aquapaisagismo) onde ocupou o cargo máximo por 12 anos. Dedica-se à aquários plantados desde 1998, tendo como principal área de interesse atualmente, a manutenção de ambientes aquáticos por longos períodos.