Um peixe ideal para o primeiro aquário, assim muitos aquaristas definem o paulistinha, por não exigir muitos cuidados e garantir uma constante movimentação no aquário. Apesar do nome, o Paulistinha é originário da Índia e recebeu esse nome devido às suas listras horizontais que lembram a bandeira paulista. No comércio, é possível encontrar as variedades comum e ouro, ambas com nadadeiras comuns ou véus.

 Acostumado a viver em cardume da natureza, o peixe apreciará conviver com outros indivíduos da mesma espécie, então coloque no mínimo 5 no aquário. Costumam nadar próximos a superfície e não fazem muitas exigências quanto ao aquário que nem precisa ser muito grande, usar ou não vegetação ficará a gosto do aquarista, pH em torno de 7,0 e temperatura entre 23 e 27ºC.

Apesar do Paulistinha ser rápido, evite colocar peixes muito grandes, pois eles não ultrapassam os 5cm e poderiam acabar virando alimento. O aquário deve ser bem tampado pois são ótimos saltadores.

A alimentação desse ágil ciprinídeo deve ser a mais variada possível afim de garantir a saúde do peixe, artêmia salina, ração em flocos, alimentos liofilizados etc.

  A reprodução não é difícil mas o aquarista vai precisar contar com a sorte. Os machos são mais esguios, as fêmeas são mais "gordinha", isso é reparado com mais facilidade quando já são adultos.

Separe 2 machos e 3 fêmeas num aquário de uns 30L sem plantas nem cascalho no fundo, que deve ser preenchido com bolinhas de gude para proteger os ovos dos pais, logo deve começar a ocorrer uma perseguição onde a fêmea libera os ovos que são imediatamente fecundados pelo macho que a está perseguindo, para garantir que os ovos irão cair entre as bolinhas antes que os adultos os comam, mantenha a altura da água em aproximadamente 15cm.

Quando a fêmea parar de soltar ovos, retire os adultos do aquário, a eclosão dos ovos deve ocorrer em 48 horas. Alimente os alevinos com gema de ovo cozida, infusórios, náuplios de artêmia e rações para filhotes de ovíparos.

Fotografia: Celso Fernando Paris Jr.

Nome científico:  Brachydanio rerio
Origem: Índia
pH: 6,8 a 7,2
Temperatura: 25ºC
Dureza: 8 dH
Tamanho adulto: 5 cm
Tamanho do aquário: 30 L
Alimentação: onívoro
Reprodução: ovíparo

 

Sobre o autor:
Marne Campos
Autor: Marne Campos
Marne Campos, natural de Campinas-SP, é aquarista desde 1990 quando, aos 7 anos de idade, ganhou o seu primeiro aquário e se apaixonou completamente pelo aquarismo. Bacharel em Análise de Sistemas pela PUC-CAMPINAS e técnico em Eletro-Eletrônica pela UNICAMP, criou o projeto Aquarismo Online em 1999, além outras iniciativas ligadas ao aquarismo que vieram logo em seguida, entre elas a idealização do CBAP (Concurso Brasileiro de Aquapaisagismo) onde ocupou o cargo máximo por 12 anos. Dedica-se à aquários plantados desde 1998, tendo como principal área de interesse atualmente, a manutenção de ambientes aquáticos por longos períodos.