Os Cascudos já foram sinônimos de faxineiros, comedores de cocô, peixe anti-estético etc, mas hoje essa imagem mudou totalmente, e os cascudos deixaram de ser a gata borralheira para ser a atração de muitos aquários e os xodós de muitos aquaristas. Tudo isso foi provocado pelo aparecimento cada vez maior de cascudos dos mais variados tipos, desde os atualmente populares Cascudos Pepitas de Ouro até os tão desejados Cascudos Zebras Imperiais.

São peixes que podem conviver com a maioria das espécies, desde os menores até os maiores e mais agressivos, ou você nunca ouviu ninguém falar de quem não agüentava mais ver seu Oscar sozinho no aquário, colocou um cascudo com ele, e ambos tem convivido muito bem, desde então?

Os peixes maiores parecem não se importar com a presença desses peixes, talvez pela sua capacidade de se confundir com o meio, muitas vezes modificando a intensidade de suas cores de acordo com o ambiente.

 Até hoje existe um conceito errado sobre os cascudos, que faz as pessoas os procurarem para combater as algas do aquário, não que eles realmente não se alimentem de algas mas dificilmente conseguirão livrar o aquário delas, já que nem todas as espécies de cascudos são essencialmente herbívoras, além de somente apreciarem algumas espécies de algas, normalmente as que nos causam menos problemas.

Comedor de cocô então, é um dos mitos mais errados que envolvem os cascudos, eles não se alimentam de fezes, e o aquarista não deve achar que somente restos de ração serão suficientes para eles, o peixe apreciará bastante se lhe forem oferecidas pastilhas de spirulina, alimento de peixes de fundo (em forma de pastilhas), rodelas descascadas de pepino e abobrinha, artêmias, minhocas, etc.

Um aquário para cascudos deve possuir bastante tocas para que ele passe o dia já que é um peixe de hábitos noturnos, essas tocas podem ser feitas com pedras e troncos, evitando materiais com pontas cortantes, plantas serão apreciadas a fim de criarem ambientes sombreados, um pH entre 6,5 e 7,4 e uma temperatura em torno de 26ºC serão satisfatórios.

 Cuidado ao escolher as plantas, pois alguns cascudos atingem grandes proporções e podem arrancá-las ou quebrar suas folhas com seus movimentos desajeitados.

Sal no aquário com cascudos é um assunto a ser analisado com cuidado, pois apesar de serem considerados sensíveis ao sal, algumas espécies de cascudos são encontrados em águas salobras. A reprodução é rara em aquários, mas alguns aquaristas já obtiveram sucesso, apesar de não usarem nenhuma técnica especial.

 

Fotografia: Celso Fernando Paris Jr. e Vicky da Rocha Loures

 

Nome científico: Hypostomus sp., Ancistrus sp., Pecholtia sp., etc
Origem: América do Sul 
pH: 6,5 a 7,4
Temperatura: 26ºC
Dureza: 10 dH
Tamanho adulto: 10 a 60 cm (dependendo da espécie)
Tamanho do aquário: 60 a 300 L (dependendo da espécie)
Alimentação: onívoro
Reprodução: ovíparo
Sobre o autor:
Marne Campos
Autor: Marne Campos
Marne Campos, natural de Campinas-SP, é aquarista desde 1990 quando, aos 7 anos de idade, ganhou o seu primeiro aquário e se apaixonou completamente pelo aquarismo. Bacharel em Análise de Sistemas pela PUC-CAMPINAS e técnico em Eletro-Eletrônica pela UNICAMP, criou o projeto Aquarismo Online em 1999, além outras iniciativas ligadas ao aquarismo que vieram logo em seguida, entre elas a idealização do CBAP (Concurso Brasileiro de Aquapaisagismo) onde ocupou o cargo máximo por 12 anos. Dedica-se à aquários plantados desde 1998, tendo como principal área de interesse atualmente, a manutenção de ambientes aquáticos por longos períodos.