As Colisas (Colisa ssp.) são ótimos peixes para se ter num aquário, pois além de serem pacíficas, se dão perfeitamente bem com peixes menores que elas. Muito indicada para iniciantes, por ser resistente e pouco exigente quando a água, as Colisas são peixes obrigatórios nas lojas, onde podem ser encontradas com grande facilidade, principalmente a Colisa Lália (Colisa lalia), mas outras espécies também podem ser encontradas de um tempo pra cá, até com certa freqüência, são elas a Colisa Lália sangue (Colisa lalia var.) e Colisa Cobalto (Colisa lalia var.), com um pouco mais de sorte, podemos encontrar também a Colisa Chuna (Colisa chuna), Colisa Labiosa (Colisa labiosus) e a Colisa Fasciatus (Colisa fasciatus).

Todas elas possuem hábitos e preferências parecidas, sendo que o que as diferencia são as cores e o tamanho que atingem.

A Colisa Lália (ao lado) é a mais colorida de todas. Os machos são encontrados em duas cores, o mais comum é o listrado de vermelho e azul e a outra é a variedade sangue, onde o peixe é quase todo vermelho com alguns detalhes azuis na nadadeira dorsal, já as fêmeas são sempre brancas e desbotadas. Alcançam 6 cm em média.

A Colisa Chuna é considerada por muitos como a mais sensível de todas, raramente ultrapassa os 4,5cm. O macho é vermelho com uma mancha preta que vai da cabeça até a nadadeira anal e a fêmea possui um tom desbotado de amarelo. É raramente encontrada nas lojas.

A Colisa Cobalto (abaixo) tem se tornado cada vez mais popular pela sua cor fascinante, um azul que encanta os olhos de qualquer um.

Ambos os sexos possuem a mesma coloração, sendo a fêmea um pouco desbotada em relação ao macho. Em, exemplares adultos, as nadadeiras dorsal e anal do macho são mais pontiagudas e a da fêmea é mais arredondada. Raramente ultrapassam os 5cm. Muitos aquarista dizem que sua coloração é artificial, que é um peixe "tingido", o que não é verdade, apesar de ser difícil de acreditar.

Temos ainda as Colisas Labiosa e Fasciata que possuem uma certa semelhança com a Lália mas seu colorido não é tão intenso, além de alcançarem maiores proporções, 10 e 12 cm respectivamente.

Como os demais anabantídeos, as Colisas conseguem respirar o ar atmosférico devido à existência de um órgão chamado labirinto, por isso podem habitar águas pouco oxigenadas. A preferência delas é por um aquário densamente plantado, incluindo plantas de superfície, que facilitam a construção do ninho, o que é impossível em água agitadas. Podem se tornar tímidas e assustadas em aquários "pelados". O pH pode variar desde 6,5 a 7,5; mas em um pH levemente ácido desenvolvem uma coloração mais intensa, a temperatura deve estar em torno de 26ºC.

A reprodução é bem parecida com a da maioria dos anabantídeos. Separe o casal num aquário de no mínimo 20L, com uma coluna d'água de uns 12cm , o aquário deve ficar tampado para manter o ar úmido e aumentar a consistência do ninho de bolhas que será construído pelo macho. Plantas são bem vindas principalmente as de superfície. O macho começará a cortejar a fêmea, que com abraços dele, vai liberando os ovos, sendo imediatamente fertilizados pelo companheiro.

Terminada essa etapa, o macho pega os ovos com a boca e os acomoda entre o ninho. Nesse período deve-se retirar a fêmea, pois os filhotes ficarão sobre os cuidados do dedicado pai. Normalmente os ovos eclodem em 24 horas, e passam uns 3 dias ainda no ninho, somente sendo necessário retirar o pai, quando eles começarem a nadar pelo aquário, pois é quando ele começa a devorar a prole. Faça trocas parciais de 20% semanalmente e mantenha um bomba aeradora bem fraca no aquário dos filhotes pois o labirinto só estará formado na sexta semana de vida. Até lá mantenha o aquário fechado e com um certo controle de temperatura. Vá subindo o nível de água a partir dessa semana.

Como alimento para os filhotes, forneça náuplios de artêmia, infusórios e rações especiais pra filhotes de ovíparos. Aos adultos poderá fornecer ração industrializada, alimento vivo, espinafre cozido etc.

Fotografias: Andy Isoft e Marcelo Drummond

 

Nome científico: Colisa ssp.
Origem: Sudeste Asiático
pH: 6,6 a 7,0 
Temperatura: 26ºC
Dureza: 8 dH
Tamanho adulto: 4,5 a 12 cm (dependendo da espécie)
Tamanho do aquário: 60 L
Alimentação: onívoro
Reprodução: ovíparo

Sobre o autor:
Marne Campos
Autor: Marne Campos
Marne Campos, natural de Campinas-SP, é aquarista desde 1990 quando, aos 7 anos de idade, ganhou o seu primeiro aquário e se apaixonou completamente pelo aquarismo. Bacharel em Análise de Sistemas pela PUC-CAMPINAS e técnico em Eletro-Eletrônica pela UNICAMP, criou o projeto Aquarismo Online em 1999, além outras iniciativas ligadas ao aquarismo que vieram logo em seguida, entre elas a idealização do CBAP (Concurso Brasileiro de Aquapaisagismo) onde ocupou o cargo máximo por 12 anos. Dedica-se à aquários plantados desde 1998, tendo como principal área de interesse atualmente, a manutenção de ambientes aquáticos por longos períodos.