O Peixe Vidro Indiano ou Chanda ranga é o mais popular entre os peixes vidro, que são caracterizados por possuírem o corpo quase transparente permitindo a visibilidade de seus órgãos internos. Mesmo assim, não é facilmente encontrado em aquários, uma pena, pois é um peixinho que prova não ser necessário um corpo colorido para chamar a atenção.

Adorado pelos aquaristas que preferem peixes exóticos, o Peixe Vidro Indiano é diferente até no desenho de suas nadadeiras, a dorsal é dividida em duas partes, sendo que a mais próxima à cabeça é formada por raios duros e a outra parte possui somente o primeiro raio duro e os demais moles, a caudal também é dividida em dois lóbulos rígidos que se parecem com espinhos.

Talvez um dos maiores motivos em não encontrá-los nos aquários seja a dificuldade em adaptá-los à rações em flocos, o que pode ser conseguido com muita paciência alimentando-o com ração e artêmia ao mesmo tempo, quando o peixe ainda é novo, até que ele passe a aceitar somente a ração. Alimentos vivos serão muito bem aceitos, entre eles, artêmia, dáfnia, tubifex, vermes, etc.

A reprodução em cativeiro, segundo alguns livros, não é muito difícil se o peixe já estiver bem adaptado. Para distinguir o macho da fêmea, observe a borda das nadadeiras dorsal e anal que nos machos é levemente azulada.

Num aquário de aproximadamente 20 litros, separe um casal e forneça somente alimentos vivos, temperatura 28ºC, sem substrato no fundo e muitas plantas de superfície e submersas, cabomba, elódea, rabo de raposa, etc. No momento certo, o macho deve nadar ao lado da fêmea, que depositará os ovos nas plantas, depois de algumas horas o casal deve ser retirado para evitar que devorem os ovos.

A eclosão demora 24h e os filhotes ficarão grudados nas plantas por uns 3 dias, só depois começam a nadar, quando estará na hora de fornecer-lhes a alimentação, eles devem aceitar bem os infusórios e conforme forem crescendo, artêmia, dáfnia e até ração se o aquarista der sorte!

Fotografia: Celso Fernando Paris Jr.

 

Nome científico: Chanda ranga 
Origem: Índia e Tailândia
pH: 7,4 a 7,8
Temperatura: 24ºC
Dureza: 14 dH
Tamanho adulto: 6 cm
Tamanho do aquário: 70 L
Alimentação: onívoro
Reprodução: ovíparo

 

Sobre o autor:
Marne Campos
Autor: Marne Campos
Marne Campos, natural de Campinas-SP, é aquarista desde 1990 quando, aos 7 anos de idade, ganhou o seu primeiro aquário e se apaixonou completamente pelo aquarismo. Bacharel em Análise de Sistemas pela PUC-CAMPINAS e técnico em Eletro-Eletrônica pela UNICAMP, criou o projeto Aquarismo Online em 1999, além outras iniciativas ligadas ao aquarismo que vieram logo em seguida, entre elas a idealização do CBAP (Concurso Brasileiro de Aquapaisagismo) onde ocupou o cargo máximo por 12 anos. Dedica-se à aquários plantados desde 1998, tendo como principal área de interesse atualmente, a manutenção de ambientes aquáticos por longos períodos.