Este artigo ensina como aumentar o fluxo luminoso de lâmpadas fluorescentes atravez de uma técnica de Sobrecarga "Overdrive".

Aquários plantados e de corais necessitam de grande quantidade de luz e isto faz com que os custos para a iluminação destes aquários sejam muito altos. O problema é ainda maior quando temos aquários com altura superior a 50 cm, que necessitam de uma fonte luminosa mais intensa. 

Lâmpadas HQIs são muito boas para estes casos, mas são muito caras e tem o péssimo problema de aquecerem demais. As lâmpadas fluorescentes são uma opção mais barata, mas geralmente não atendem a todas as necessidades dos amantes de plantas aquáticas e corais. Uma saída para resolver estes problemas é aumentar a quantidade de luz emitida pela lâmpada fluorescente, sem aumentar muito o consumo de energia. Isso pode ser feito através de um "overdrive" ou sobrecarga, ou seja, podemos aumentar a carga de energia para cada lâmpada, para que ela produza mais luz.     

A primeira coisa que temos que saber é que o overdrive de lâmpadas fluorescentes é apenas uma forma diferente de fazer a instalação elétrica e que não há nada de ilegal ou proibido. Deve ser feito por alguém que tenha um certo conhecimento sobre eletricidade, pelo menos ter noções de como emendar e isolar fios de forma correta. A sobrecarga pode ser feita em lâmpadas fluorescentes tubulares retas de várias potências (40W, 32W, 20W...), vários tamanhos (T12, T10, T8...) e tipos (comuns, para plantas, para aquários...). É um procedimento seguro, se feito corretamente, e não possui riscos de explosões.     

O conceito principal é ligar apenas uma lâmpada em um reator eletrônico usado normalmente para duas (Over de 2x a potência) a quatro lâmpadas (Over de 4x a potência). O aumento de luminosidade para um over de 2x é cerca 1,7 vezes o fluxo luminoso normal. Com o aumento da potência da montagem, há uma perda de energia. Um over de 4x, aumenta o fluxo luminoso em apenas 2,4 x. Ou seja, o aumento da luminosidade não acontece na mesma proporção do aumento da carga.

Esquema de montagem

Os reatores eletrônicos usados no Brasil são diferentes dos norte-americanos. Nos nossos reatores temos de cada lado, dois pares de fios que vão para as lâmpadas, sendo um par azul e outro vermelho. Existem ainda mais três fios: Um branco e um preto (que vão ser ligados na rede elétrica) e um marrom (fio terra). Nas montagens normais os fios vermelhos vão para uma lâmpada e os azuis para outra. Cada pino da lâmpada recebe apenas um fio. Para fazer a sobrecarga basta unir os fios vermelhos e azuis que iriam para as duas lâmpadas e ligá-los a apenas uma. Cada pino agora, passa a receber dois fios unidos (um azul e outro vermelho). Veja os esquemas para saber quais fios devem ser unidos.

 

Este é o tipo de montagem básica para um tipo, somente, de reator eletrônico. Este tipo de reator é o mais usado no Brasil. Outras montagens com outros reatores são possíveis, mas resolvi detalhar somente este porque não estou muito familiarizado com outros tipos de reatores eletrônicos. Mesmo assim, esse modelo básico já dá uma grande base para aqueles que querem buscar mais sobre o assunto e fazer suas próprias experiências. Podem ser ligados vários reatores numa montagem, unindo todos na saída para a fonte de energia. Em casa tenho um aquário com 6 reatores e seis lâmpadas.

Dúvidas freqüentes

Essa montagem é realmente segura?
R.: Uma coisa deve estar bem clara não faça sobrecarga de lâmpadas com reatores magnéticos, use somente reatores eletrônicos! Bom, pelo que li em fóruns estrangeiros na internet, os reatores eletrônicos modernos e as lâmpadas são concebidos para trabalhar com uma margem grande de variação de tensão, o que torna o procedimento seguro. Tenho também um aquário de 480 litros com 6 lâmpadas em sobrecarga com 6 reatores e não tive problemas. Ao contrário, aumentei e muito a quantidade de lúmens para minhas plantas. Este mesmo aquário tem 60 cm de altura e minhas plantas de carpete soltam bolhas de oxigênio o tempo todo, indicando uma boa taxa fotossintética.

Ao fazer uma sobrecarga em minhas lâmpadas, não irei mudar a qualidade da luz emitida?
R.: A resposta é não. O espectro da luz emitida pela lâmpada é em função do tipo de material químico de que ela é feita e isto não é alterado com a sobrecarga. O que varia aqui é somente a intensidade da luz e não a qualidade dessa luz!

Posso usar diferentes lâmpadas em um mesmo reator?
R.: Sim pode, com algumas exceções. Num mesmo reator eletrônico podem ser usadas lâmpadas T12, T10, T8 e T5. Esses números indicam o diâmetro da lâmpada, sendo a T12 a maior (lâmpada fluorescente comum). Há um consenso de que as lâmpadas T8 produzem mais luz e gastam menos energia que as T12. Uma lâmpada T8 com uma sobrecarga de 4X chega a gerar 6.500 (seis mil e quinhentos) lúmens e consomem o equivalente a uma lâmpada de 80W, portanto, acho as T8 as mais indicadas para a iluminação já que também ocupam menos espaço. Em reatores de 40W podem ser ainda usadas lâmpadas de 32W e outras de menor potência (W) mas parece que não podem ser usadas lâmpadas com maior potência do que suporta o reator (50W, por exemplo). Bom, pelo menos é que eu ouvi de diversos vendedores de lojas de materiais elétricos. Pode ser que estejam errados mas eu preferi não arriscar.

Quais as desvantagens do overdrive?
R.: Eu só vejo vantagens, mas como tudo tem um porém vou indicar os “poréns” da sobrecarga. Com o aumento da carga, a lâmpada se torna mais quente. Quanto maior o fator da carga (over de 2x, 3x ou 4x) maior é o aumento da temperatura. Esse aumento não é tão grande quando se faz uma sobrecarga de somente 2x. Tenho montagem assim em casa e não tenho um aquecimento muito grande. Com 4x, o aquecimento é muito maior e é necessário o uso de algum método de resfriamento do aquário. Fazendo um balanço entre quantidade de luz emitida e aquecimento seguro, recomendo o uso de uma sobrecarga de 2x para a maioria dos casos. A não ser que a necessidade de iluminação seja muito alta, como nos aquários para corais, onde um over de 4x pode ser usado, mas sempre associado a ventiladores.
    Outro “porém” é que ocorre uma diminuição no tempo de vida útil das lâmpadas. Com a sobrecarga, segundo os entendidos da internet no assunto, a vida útil cai para a metade.

Notas do Autor

Este texto foi elaborado com informações recolhidas na Internet, e com dados obtidos através de experiências pessoais.

Quero lembrar que não me responsabilizo por quaisquer danos que possam vir ser causados pelo mau uso do equipamento eletrônico e que estou somente relatando uma experiência minha que deu certo e transferindo algumas informações já de uso comum na internet.

Espero ter sido claro e contribuído de alguma forma para o desenvolvimento de nosso hobby no Brasil. Qualquer dúvida que ainda possa surgir, existem muito fóruns e textos interessantíssimos na internet (infelizmente nenhum em português) que valem a pena ser lidos.

Notas do Site

Este texto foi gentilmente cedido por Vinicius Andrade Lopes para o site Aquarismo Online, sendo que o site não se responsabiliza pelo conteúdo do material, ficando a inteira responsabilidade do leitor qualquer dano que possa vir a ser causado pela adoção dos procedimentos acima descritos.

{moscomment}
Sobre o autor:
Autor: Alex Ribeiro