O Húmus de Minhoca é um material de origem animal, resultado do processo digestivo das minhocas presentes no solo. No Brasil, esse tipo de húmus ainda é o mais popular, já na Europa, encontraremos o Húmus Vegetal como mais difundido para uso em aquários  Durante a alimentação a minhoca ingere material orgânico e um pouco de terra, nos intestinos toda uma flora bacteriana auxilia a minhoca na disgestão do material, o resultado deste processo é o que chamamos de Húmus de Minhoca ou "earthworm casting" como é conhecido lá fora, um material muito rico em macro e micronutrientes essenciais para os vegetais. Porém esse não é o único meio de produzir húmus , embora seja o mais comum e difundido, principalmente por ser o meio mais rápido de produção.

As características do Húmus de Minhoca há muito são conhecidas e sua aplicação em jardins, vasos e hortas é algo comum. Porém, a sua aplicação como fertilizante de substratos para aquários é algo um tanto mais recente, seguindo um processo ligeiramente diferente da aplicação comum em solos. Essa diferença, aliada à falta de um padrão na produção do Húmus de Minhoca, talvez seja o principal motivo de problemas na aplicação em aquários, pois os processos (aquário e solo) possuem modos distintos.

O Húmus (vegetal) já havia sido introduzido para uso em aquários há alguns anos, antes do estouro de popularidade atual do aquarismo plantado no Brasil, porém o seu uso não se tornou popular entre os aquaristas brasileiros, principalmente pelo fato de que era um produto importado, pouco divulgado e o conceito de aquário plantado, como conhecemos hoje, ainda estava começando a ser introduzido no Brasil, o produto simplesmente caiu no poço do esquecimento ou simplesmente passou despercebido.

Hilena Initial D
Fig. 1 - Primeira apresentação comercial do Húmus (vegetal) para aquários

Com o passar dos anos o Brasil viveu um boom evolutivo em relação aos conceitos e técnicas de elaboração de aquários plantados, e o Húmus acabou voltando a cena como coadjuvante dessa nova linha de aquarismo por vários motivos, entre eles posso destacar:

  • Há pouco menos de 10 anos havia poucas opções de bons fertilizantes para aquários disponíveis no mercado, os que haviam eram importados em pequena escala, muito caros para maioria e muitas vezes inacessíveis em várias localidades. O Húmus de minhoca podia ser encontrado em qualquer loja de jardinagem ou até mesmo supermercados, com preço acessível, irrisório se comparado a outros meios fertilizantes.
  • Os detalhes de preparo e aplicação foram aperfeiçoados e amplamente difundidos pela internet.
  • É um produto fácil de ser encontrado em qualquer região do país, podendo inclusive ser produzido em casa.
  • Seu modo de preparo para uso em aquário é simples, qualquer pessoa pode fazer em casa*.
  • Sua ação é eficiente, não faltando exemplos de aquários para corroborar isso.
O panorama do aquarismo brasileiro mudou muito e hoje já existe uma enorme variedade de opções de fertilizantes, para todas as necessidades e bolsos. Com a popularização da internet as lojas virtuais já atendem a todo o país, não sendo mais problema obter a maioria dos produtos necessários para se montar um aquário moderno. No entanto, o Húmus Vegetal somente a pouco tempo retornou ao circuíto comercial com o lançamento no mercado brasileiro da linha de produtos italinos Prodac.
Humus Plus Prodac
Fig. 2 - Apresentação comercial moderna do Húmus (vegetal)

Algumas Características do Húmus de Minhoca

  • Composição média do húmus de minhoca:
    Macronutrientes: Nitrogênio (N), Fósforo (P), Potássio (K), Cálcio (Ca), Magnésio (Mg) e Enxofre (S);
    Micronutrientes Manganês (Mn), Ferro (Fe), Cobre (Cu), Zinco (Z), Cobalto (Co), Boro (B) e Molibdênio (Mo);
  • Por ser um produto natural a sua dosagem não afeta as plantas, como os químicos que possuem toxidade razoavelmente elevada, podendo ser usado com qualquer espécie terrestre ou aquática;
  • Dependendo da sua composição fornecerá nutrientes para suas plantas durante anos.
  • Tem alto índice de trocas catiônicas, por isso retêm melhor seus elementos macro e microelementos, liberando-os dosadamente, tornando a adubação mais eficaz e duradoura;
  • Comparado a um solo fértil natural o húmus apresenta 5 vezes mais Nitrogênio, 2 vezes mais Cálcio, 4 vezes mais Magnésio, 7 vezes mais Fósforo e 11 vezes mais Potássio;
  • Granulometria muito boa, possibilitando a formação perfeita de raízes principais e secundárias;
  • O Húmus de Minhoca, devidamente tratado, não oferece riscos de fermentação, casos comuns quando se usa terra vegetal. Não é recomendado o uso de terra vegetal por haver demasiado material biológico parcialmente decomposto.
  • É barato e encontrado praticamente em qualquer lugar, o processo de tratamento pode ser efetuado por qualquer pessoa*;
  • É um produto natural, biodegradável e portanto ecológico. Até o descarte do substrato poderá ser usado como fertilização de canteiros e vasos.

 

Análise Média da composição do Húmus de Minhoca

Umidade........................................... 45 a 58%
pH.................................................. 7,11 a 7,54
Matéria Orgânica................................. 42 a 56% Nitrogênio......................................... 1,66 a 2,04% Fósforo............................................ 1,42 a 3,82% Potássio........................................... 1,44 a 2,23% Cálcio.............................................. 5,44 a 7,26%
Magnésio.......................................... 0,88 a 1,32%
Magnésio.......................................... 0,88 a 1,32%
Ferro............................................... 0,82 a 1,84% Manganês......................................... 552 a 767 Zinco............................................... 418 a 1235 Cobre.............................................. 193 a 313 Cobalto............................................ 15 a 37
Carga Bacteriana................................. 5x10.8 a 2x10.12

Como preparar Húmus de Minhoca para Aquários

O processo de tratamento do Húmus é relativamente simples e qualquer pessoa* pode prepará-lo. No entanto é preciso atenção aos detalhes e o tratamento completo precisa ser aplicado, não seguir este procedimento significa correr mais riscos. Com um pouco de organização será um processo limpo e sem muita bagunça, as esposas/mães agradecem!!! 

Se você tem pouco espaço, leia-se mora em apartamento, então siga a dica: prepare em pequenas quantidades até ter o bastante para montar seu aquário. 

Você vai precisar:

  • 2 recipientes grandes (balde ou bacia);
  • 1 recipiente grande que possa ir ao fogo (Panelão, Tacho, Lata grande, etc.);
  • 1 superfície planta e lisa que recepa/possa ir ao sol, para secagem.
  • 1 Peneira grossa (é opcional, leia o método abaixo);

Método de Preparo:

 

1º Passo - Lavagem Inicial

  • Utilize um recipiente grande, uma balde ou bacia são os melhores.
  • Adicione o húmus neste recipiente, acrescente água até cobrir tudo, agite bastante, com a mão desmanche os aglomerados de húmus e continue agitando;
  • Espere alguns minutos (3 min) para decantar, passe rapidamente o conteúdo para o outro balde, descarte a areia que ficou no fundo do primeiro balde.
  • Descarte a água do balde com húmus, elimine qualquer material sólido e que esteja boiando (pedras, galhos, folhas, etc...)
  • Repita este passo várias vezes, no mínimo 2 vezes.
  • Cuidado: Não exagere ou você perderá muito húmus. Use a água das lavagens para fertilizar vasos e canteiros, ela é rica em nutrientes.
   

2º Passo – Esterilização

  • Após a lavagem transfira o húmus para o recipiente que irá ao fogo, acrescente água até cobrir tudo;
  • 10 min de fervura são mais que suficientes;
  • A água não deve secar durante a fervura, acrescente água o suficiente para ferver sem secar.
  • Atenção: quando ferver o húmus poderá formar espuma, use um recipiente grande e não tampe! O cheiro do húmus sendo cozido é o mesmo de argila sendo cozida, algumas pessoas não gostam do cheiro e podem sentir enjôo;
  • Cuidado: O recipiente é pesado e estará muito quente, evite acidentes*.
   

3º Passo - Lavagem Final

  • Dispense a água quente, não use em vasos ou canteiros antes de esfriar completamente.
  • Transfira o húmus cozido para um dos baldes usados anteriormente, não esqueça de lavar os baldes enquanto o húmus ferve.
  • Cuidado: O Húmus estará muito quente, evite acidentes*.
  • Repita o processo de lavagem mais duas vezes ou mais, se achar necessário.
  • Ao final escorra o máximo de água possível.
   

4º Passo – Secagem

  • O Húmus deve ser seco ao Sol, naturalmente.
  • Faça camadas finas de húmus sobre uma superfície plana que receba bastante luz solar, quanto mais fina for a camada mais rápida será a secagem.
  • Para dar uma textura solta ao Húmus tratado esse é o momento, antes do húmus secar completamente, nem úmido demais e nem seco demais, use uma peneira grossa, ele ficará solto e com textura de farofa, seguindo a secagem normal ele terá aparência de argila seca.

 

*Segurança: Crianças e Adolescentes

Por questão de segurança recomendamos que o procedimento de tratamento seja efetuado por/com a supervisão de um adulto.

 

Considerações sobre o Húmus de Minhoca x Tratamento 

Muitas pessoas questionam quanto a perda acentuada de nutrientes devido ao tratamento de lavagem e fervura, é certamente uma questão lógica, mas os fatos apontam que o procedimento é eficiente e acima de tudo necessário. Como material mineralizado de origem biológica o Húmus de Minhoca carrega uma imensa carga bacteriana do solo, além disso, pode eventualmente trazer consigo alguns patógenos e fungos indesejáveis para o aquário. O tratamento diminui não somente os riscos da sua aplicação como um pouco a carga nutritiva, mesmo assim tende a continuar sendo um material altamente nutritito para as plantas..

Veja o resultado de uma análise química de uma amostra de Húmus de Minhoca Tratado, para uso em aquários, seguindo o procedimento descrito acima:

  • pH: 7,4
  • Fósforo: 312,4 mg/dm³ = ALTO
  • Potássio: 255,7 mg/dm³ = ALTO
  • Cálcio: 5,60 cmol/dm³ = ALTO
  • Magnésio: 4,60 cmol/dm³ = ALTO
  • Alumínio: 0,00 cmol/dm³. Obs: O alumínio é tóxico pras raízes das plantas.
  • Acidez potencial: (H+Al): 1,70 cmol/dm³ = BAIXA Obs: A acidez potencial quanto mais baixa melhor.
  • Soma de Bases: 10,85 cmol/dm³ = ALTO
  • Capacidade de Troca de Cátions (CTC): 12,55 cmol/dm³ = ALTO
  • Saturação de Bases (V) 86,46% = ALTO
  • Matéria Orgânica: 3,01 dag/dm³ = ALTO
  • Micronutrientes: Ferro: 76,1 mg/dm³
  • Zinco: 71,0 mg/dm³ Cobre: 1,0 mg/dm³
  • Manganês: 140,2 mg/dm³ Boro: 2,65 mg/dm³
  • Sódio: 70,0 mg/dm³ Enxofre: 55,5 mg/dm³
Como é possível constatar o Húmus de Minhoca  mantêm índices ótimos de nutrientes, mesmo após o tratamento.

 

Húmus de Minhoca - Perguntas e Respostas Freqüentes

 

  • Quando eu devo parar de lavar o Húmus de Minhoca?
    Isso varia muito, normalmente para-se quando a água não turva muito (zerar a turvação é impossível), neste momento você já consegue enxergar sua mão mexendo o Húmus de Minhoca, também não houver mais vendo pedrinhas, galhos, folhas, ovos de minhoca e outras coisas que possam aparecer.
  • Qual a aparência do Húmus de Minhoca depois do preparado?
    Pode variar em razão da composição do húmus utilizado, mas geralmente é bem semelhante ao húmus antes de ser preparado, um pouco mais escuro, com aparência um pouco mais uniforme e textura de farofa fina.
  • Por que secar o Húmus de Minhoca?
    Praticidade, permitindo a estocagem do produto e facilitano a aplicação/mistura do húmus a areia ou outro componente do substrato.
  • Por que é necessário ferver o Húmus de Minhoca?
    Devido a sua alta carga biológica e a quantidade de material orgânico, como foi comentado antes, o húmus pode trazer consigo bactérias, fungos e outros patógenos indesejáveis. 
  • Quanto rende este processo?
    Depende da composição do Húmus de Minhoca e da qualidade do processo de tratamento. Quando bem feito costuma ser aproveitado 35% do volume inicial de húmus ou mais, se o húmus for de boa qualidade.
  • Como sei que o húmus é de boa qualidade?
    Infelizmente ainda não há certificado de garantia e origem confiáveis dos fornecedores de Húmus de Minhoca, ao contrário do Húmus Vegetal destinado especificamente à aquários, então precisamos ficar atentos a alguns detalhes no momento da compra. Observe: Se o húmus de minhoca não apresenta bolores ou fungos, dispense! Se for possível observar pedaços de folhas, madeiras, muitas pedras ou areia, dispense! Se apresentar mau cheiro, dispense! Se apresentar umidade excessiva ou estiver seco em demasia, dispense! 

A pergunta que não cala...

  • Quanto Húmus de Minhoca devo usar em meu aquário?
    Trate o suficiente para que seja possível formar uma camada de pelo menos 1cm no fundo do aquário, para mais detalhes sobre a aplicação do húmus leia o artigo Substrato, Como Montar de Forma Prática.

Fotografia: Edson Caetano e Ricardo Assunção
Revisão e Atualização: Alex Ribeiro e Marne Campos

Sobre o autor:
Autor: Alex Ribeiro

Talvez você também se interesse por: