É de conhecimento de todos que a Floresta Amazônica é uma fonte praticamente inesgotável de inspiração na hora de montarmos um aquário. De lá saem incontáveis variedades de peixes, invertebrados e plantas, e ainda existem muitas espécies a serem descobertas.

Aquário de Água NegraDevido ao seu tamanho e a sua abrangência, é possível montarmos diversos aquários baseados no ecossistema amazônico, cada um com suas particularidades. Existem montagens apenas inspiradas no tema Amazônia, com algumas espécies de peixes, plantas ou invertebrados misturadas com outros de diversas regiões, até mesmo outros continentes. Existem também montagens mais específicas, com a intenção de imitar fielmente determinada localidade (região, curso d'água, et.), com fauna e flora nativas, porém algumas montagens se tornam mais peculiares e interessantes por usarem algo bem típico da Floresta Amazônica: Águas Negras ou Black Waters, como é mais comumente conhecida. A água com diferentes tons de cor de chá causa um impacto visual a quem a observa, sendo uma alternativa aos tradicionais aquários de água cristalina. Com toda a certeza, aquários assim chamam muito a atenção.

Os peixes amazônicos mais comuns mantidos nesses aquários são pequenos caracídeos como Neons Cardinais, Tetras Fantasma, Matogrossos e Ciclídeos Anões como Ramirezis, Xadrezinhos e diversos Apistogrammas. Mas ciclídeos maiores como Acarás Bandeira, Discos, Severos e Festivos também podem figurar nessas montagens. Existem outras espécies não tão populares a escolher, mais exóticas, como Peixe-Folha, Banjos e alguns Ancistrus por exemplo. Mais tarde falaremos sobre outras espécies.

Já a escolha da flora exige mais cuidado pois a água escurecida dificulta a passagem de luz, limitanto as espécies a serem utilizadas. Plantas mais resistentes como Musgo-de-Java, Feto-de-Java, Anúbias, Valisnérias, Higrófilas, Echinodorus e Sagitárias são boas opções. Existem também plantas que lançam folhas emersas, o que é algo considerável visto que elas podem aproveitar ao máximo a iluminação do aquário sem serem prejudicadas pela cor da água, como Ninféias (as mais indicadas para aquários são a Nymphaea amazonum e a Nymphaea indica). Vale lembrar que a intenção não é apresentar plantas para um biótopo e sim mostrar espécies que se adequem a uma baixa iluminação.

Em alguns cursos d'água que adentram a mata (Igarapé), e até mesmo durante a época das cheias, em que a floresta é inundada (Igapó), a água recebe uma imensa carga orgânica vegetal, que causa seu tingimento, "amolecimento" e sua acidificação natural.

Aquário de Água NegraA tonalidade pode variar do amarelo mais claro até um marrom bem escuro. Essa variação depende da concentração de taninos (ácidos húmicos provenientes da decomposição parcial de troncos, folhas, raízes, galhos e outros restos de plantas). Ela pode ser conseguida através do uso de produtos químicos - extratos - encontrados em qualquer loja de aquarismo (Sera Morena, Tetra BlackWater, etc) ou do uso dos materiais citados anteriormente. Vale lembrar que estes troncos não devem passar pelo tratamento completo, apenas uma fervura de 30 minutos à 1 hora são o suficiente. Com o tempo eles acabam perdendo a capacidade de colorir a água. Outra boa opção é usar turfa, que além de escurecer, amacia e acidifica a água do seu aquário. Optando por folhas, as mais usadas são as de Goiabeira e as de Amendoeira (Terminalia catappa). Outros aquaristas fazem uso de fibra de coco. Em suma, existem muitas opções para dar essa tonalidade a água do seu aquário.

É muito importante que você evite usar carvão ativado e mídias semelhantes (como Seachem Purigem) pois elas tendem a clarear a água, que neste caso não é o objetivo.

Há também aquários particularmente interessantes pois tratam-se de montagens asiáticas, mostrando que existem outros lugares que apresentam água com essa tonalidade ampliando ainda mais o leque de opções (neste caso, usamos peixes como Rásboras - Arlequim e Kubotai, Tricogásteres -Trichopterus e Leeri, Colisas - Chuna e Lalia, Barbus - como Cereja e Sumatra, por exemplo).

Não existem limitações para o uso dessa água: pode ser usada em aquários de 30 litros como em aquários que ultrapassam o volume de 1000 litros; em aquários bem plantados e nos que não possuem nenhuma planta; desde os bem iluminados aos mais escuros; numa tonalidade mais clara e bem sutil como nas tão negras que beiram o marrom/vermelho; nas montagens para peixes mais caros, raros e exigentes como em montagens para peixes populares, acessíveis e resistentes.

São uma fonte de inspiração para quem deseja ter em sua casa algo pouco usual, diferenciado e ao mesmo tempo envolvente, tranquilizador e muito natural.

Sobre o autor:
Mateus Camboim
Autor: Mateus Camboim
Mateus Camboim de Oliveira, natural de Porto Alegre-RS, é estudante de ciências biológicas preparando-se para ser professor. Adora escrever sobre biologia, mas principalmente ler sobre o assunto. Começou no aquarismo em 1996, quando ganhou de seu pai um pequeno Plati Ouro, a partir de então, o fascínio por esses animais só aumentou, tendo montado diversos aquários desde então mas considerando que só se tornou um “aquarista de verdade” a partir de 2005, quando passou a montar um aquário seguindo tudo o que aprendeu. Sua área de maior interesse é a fauna do aquário, vendo o aquapaisagismo e a flora como parte integrante, porém não o principal.