Muitos aquaristas já se questionaram sobre o tempo de vida dos peixes que criam. O pior é que grande parte das fichas de peixes ornamentais não traz essa informação. Curiosidade à parte, o ciclo de vida dos peixes de aquário depende de muitas variáveis, além, claro, das características de cada espécie.
Um fator Lungfish Australiano de mais de 77 anospreponderante é a condição e os cuidados que recebem, em relação à agua, alimentação, doenças e ambientação. Os livros e sites de aquarismo que trazem algum dado a esse respeito levam em consideração o período de vida médio de uma espécie vivendo em cativeiro, em excelentes condições. Como qualquer ser vivo, o tempo de vida dos peixes pode extender-se mais que o normal, podendo, em certos casos, ultrapassar bastante a sua “média”. A regra geral dos peixes é que quanto maior o seu porte, mais tempo terá de vida. Assim, um tetra cardinal deve viver em média 4 anos, enquanto uma carpa Koi pode ultrapassar 100 anos. A propósito, uma carpa de nome Hanako que nasceu em cerca de 1751 morreu somente em julho de 1977, ou seja, 226 anos depois, e após vários donos! Os grandes peixes-gato do Sudoeste asiático e os esturjões gigantes do Mar Cáspio e Negro também possuem grande longevidade. Ao lado, Granddad, um Lungfish Australiano (Neoceratodus forsteri) que está no Aquário de Sydney há mais de 80 anos.
 
Por outro lado, peixes que vivem em condições precárias terão sua vida encurtada. Muitos podem achar que a vida na natureza será mais longa que em aquários. Nem sempre. No campo, em rios e lagos, eles podem enfrentar muito mais perigos que em cativeiro, perigos como doenças, a predação entre espécies, incluindo a de peixes maiores ou carnívoros, jacarés, crocodilos, ariranhas, ursos, aves, cobras, entre outros animais que se alimentam de peixes, inclusive o mais perigoso de todos, o homem. A falta de comida, a poluição, as secas, etc, também podem encurtar a vida de peixes no meio natural.
 
O que dizer do ciclo de vida nos aquários? O melhor para cada espécie é que se tente obter no cativeiro o máximo de semelhança quanto às condições naturais. Diríamos que os piores inimigos dos peixes de aquário sejam as doenças e a contaminação da água. Muitas doenças podem se desenvolver no próprio aquário, mas em sua maioria decorrem do contato entre peixes doentes e saudáveis. Nunca se deve colocar peixes recém-comprados diretamente no aquário. É preciso eles aguardarem um tempo em um tanque de quarentena, para observar se trazem algum tipo de enfermidade, bactérias, fungos, ou parasitas. A contaminação da água se dá pela negligência com sua qualidade, o excesso de amônia e nitritos, sais, acidez, falta de trocas parciais, etc. A superlotação de indivíduos em um tanque pequeno é outro fator de mortandade, bem como a incompatibilidade entre espécies no mesmo tanque. Ferimentos também levam peixes à morte.
 
Tilapia buttikoferi de 11 anosUm dos maiores erros que um aquarista pode cometer, que abrevia a vida de um peixe, é não conhecer as suas necessidades, e mesmo assim levá-lo para casa. Fatalmente, o coitado morrerá, mesmo que antes provoque prejuízos para seus companheiros de aquário. Portanto, o criador consciente, que pretende aproveitar o máximo de tempo com seu peixe de estimação, deve estar atento, informado e pronto para tratar dos problemas que apareçam em seu hobby. Um aquário de tamanho razoável, bem plantado, com um número proporcional de peixes, de espécies compatíveis, sempre com a água filtrada, o fundo sifonado, alimentado na dose certa, com trocas de água regulares (pelo menos de um quarto do volume por semana), estará contribuindo para o alargamento da vida de seus animais. Ao lado, uma "Zebrinha" (Tilapia buttikoferi) mantida por Marne Campos em aquário por 11 anos, até que foi doada ao lago do Orquidário de Santos-SP.
 
Não devo terminar esse artigo sem oferecer uma lista pesquisada em sites e livros em inglês, sobre a expectativa média de vida dos mais conhecidos peixes de aquário, em condições ideais de criação. O que constatei é que essas fontes discordam entre si quanto ao tempo de vida dos peixes, de modo impressionante. Apenas como exemplo, uns sites dizem que a Bótia Palhaço vive cerca de 15 anos. Em outro texto, li relatos de que uma delas atingiu mais de 50 anos. Ressalvo, então que os tempos fornecidos abaixo não são absolutos, pois tudo depende da qualidade de vida e cuidados que os peixes recebam.



Acará Bandeira (Pterophyllum scalare): 10 ou mais anos
Acará Disco (Symphysodon sp.): 10 a 18 anos
Acará Severo (Cichlasoma severum): 10 a 18 anos
Apistograma (Apistogramma sp., Microgeophagus sp.): 3 a 5 anos
Aruanã Prateada (Osteoglossum bicirrhosum): 10 a 20 anos
Arqueiro (Toxotes jaculatrix) : 5 anos
Baiacu amazônico (Tetraodon biocellatus): 5 anos
Barbo Cereja (Puntius titteya): 5 a 7 anos
Barbo Conchônio (Puntius conchonius): 5 anos
Barbo Ouro (Puntius sachsii): 4 a 6 anos
Barbo Schwannefeldi (Barbonymus schwanenfeldii): 10 anos
Barbo Sumatra (Barbus tetrazona): 5 a 7 anos
Betta (Betta Splendens) : 2 a 3 anos
Boca de Fogo (Thorichthys meeki): 10 a 15 anos
Bótia Palhaço (Botia macracanthus): 20 a 30 anos
Bótia Azul (Yasuhikotakia modesta): 10 a 20 anos
Cascudo Comum (Hypostomus plecostomus): 10 a 15 anos
Ciclídeo Midas (Amphilophus Citrinellus): 15 ou mais anos
Colisa (Colisa Lalia): 8 a 10 anos
Coridoras (Corydoras ssp.): em média 5 anos
Cruzeiro do Sul (Hemiodus gracilis): 5 a 8 anos
Danio Pérola (Danio albolineatus): 5 anos
Danio Leopardo (Brachydanio frankei): 5 a 7 anos
Danio Gigante (Devario aequipinnatus): 5 a 7 anos
Danio zebra ou Paulistinha (Danio rerio): 5 anos
Discos (Symphysodon sp.): 10 a 18 anos
Dojo (Misgurnus anguillicaudatus): 10 anos
Espada-sangue (Xiphophorus helleri): 3 a 5 anos
Festivum (Cichlasoma festivum): 10 ou mais anos
Frontosa (Ciphotilapia frontosa): 8 a 15 anos
Gourami Beijador (Helostoma temminckii): 8 a 20 anos
Gourami Chocolate (Sphaerichthys osphromenoides): 4 anos
Gourami Azul (Trichogaster trichopterus): 4 anos
Gourami Mel (Colisa chuna): 4 anos
Guppy ou Lebiste (Poecilia reticulata) : 3 a 5 anos
Jack Dempsey (Archocentrus Octofasciatus): 10 a 18 anos
Killifish (várias espécies): 2 a 5 anos
Lábeo Negro (Labeo chrysophekadion):10 a 20 anos
Lábeo Bicolor (Epalzeorhynchos bicolor): 10 anos ou mais
Lábeo Frenatus (Epalzeorhynchos frenatum): 6 a 8 anos
Leporino (Leporinus sp.): 5 ou mais anos
Livingstone (Nimbochromis livingstonii): 10 ou mais anos
Mato Grosso (Hyphessobrycon eques): 3 a 5 anos
Melanotênia (Melanotaenia boesemani): 5 anos
Molinésia (Poecilia latipinna, Poecilia Velifera, Poecilia sphenops): 4 a 6 anos
Olho de Fogo (Moenkhausia sanctaefilomenae): 5 ou mais anos
Oscar (Astronotus ocellatus): 10 a 18 anos
Pacu (Piaracatus mesopotamicus): 10 anos
Pacu Prateado (Metynnis hypsauchen): 10 anos
Peixe gato de Cristal (Kryptopterus bicirrhis): 8 anos
Peixe Japonês ou Kinguio (Carassius auratus): 10 a 30 anos
Piranhas : média de 10 anos
Peixe borboleta (Carnegiella strigata): 5 anos
Peixe Gato Invertido (Synodontis nigriventris): 5 anos
Peixe Gato Rafael (Agamyxis pectinifrons): 7 a 15 anos
Peixe gato Colombiano ou Jordani (Arius seemani): 10 ou mais anos
Pimelodus (Pimelodus pictus): 8 anos
Platy (Xiphophorus maculatus, Xiphophorus variatus): 3 a 5 anos
Panaquê (Panaque nigrolineatus): 10 ou mais anos
Rasboras (Rasbora ssp.): 5 a 10 anos
Rodóstomo (Hemigrammus rhodostomus): 5 a 10 anos
Tanictis (Tanichthys albonubes): 5 a 7 anos
Tetra Neon Negro (Hyphessobrycon herbertaxelrodi): 5 anos
Tetra Fantasma Negro (Megalamphodus megalopterus): 5 anos
Tetra cardinal (Paracheirodon axelrodi): 4 anos
Tetra Colombiano (Hyphessobrycon ecuadoriensis): 5 anos
Tetra Cego (Astyanax fasciatus mexicanus): 5 anos
Tetra Buenos Aires (Hemigrammus caudovittatus): 5 anos
Tetra Rosáceo (Hyphessobrycon erythrostigma): 5 anos
Tetra Enfermeirinha (Aphyocharax anisitsi) : 10 ou mais anos
Tetra do Congo (Phenacogrammus interruptus): 5 anos
Tetra Diamante (Moenkhausia pittieri): 5 anos
Tetra Imperador (Nematobrycon palmeri): 6 anos
Tetra Limão (Hyphessobrycon pulchripinnis): 5 anos
Tetra Luminoso ou Glowlight (Hemigrammus erythrozonus): 5 anos
Tetra Neon (Paracheirodon innesi): 5 a 10 anos
Tetra Cobre (Hasemania marginata): 5 anos
Tetra Preto (Gymnocorymbus ternetzi): 5 anos
Tricogaster Léri (Trichogaster leeri): 4 a 6 anos
Tricogaster Prata (Trichogaster microlepis): 4 a 6 anos
Tubarão Bala (Balantiocheilus melanopterus): 10 anos
Zebra laranja (Pseudotropheus zebra): 10 ou mais anos

Sobre o autor:
Katsuzo Koike
Autor: Katsuzo Koike
Katsuzo Koike, aquarista e laguista incurável, é natural de Recife-PE e professor com doutorado em História. Filho do piscicultor japonês Johei Koike, ex-professor da Universidade Rural de Pernambuco, seu gosto pelo aquarismo começou na década de 70 por influência de seu pai, que durante a sua infância, sempre o levava ao Centro de Piscicultura da UFRPE para acompanhar a criação de diversas espécies de peixes, tendo crescido sempre próximo à esse meio. Prioriza sempre a qualidade de vida dos seres em relação à beleza e ao paisagismo do aquário.